× About us Restaurants Our dishes Reservations News Events Rubaiyat Farm Foundation Our Fig Tree Contact Privacy Policy
EN | PT | ES
Instagram Facebook Linkedin
Rubaiyat
Collapsable Navbar

Nossa Figueira

Aqui tem um patrimônio ambiental.

Família: MORACEAE
Gênero: Ficus
Espécie: Ficus benghalensis L.
Diâmetro à altura do peito: Aproximadamente 6 metros
Diâmetro da copa: Aproximadamente 46 metros
Origem: Índia (Região de Bengala do Oeste)
Nomes populares: Figueira-branca, Figueira-de-Bengala, Banyan
Idade aproximada: 120 a 150 anos
A Figueira-de-bengala situada no interior do Restaurante Rubaiyat tem muito maisque beleza e raridade: ela também tem e é testemunha da história da Cidade de São Paulo. Tendo seu plantio estimado na década de 1.890, ainda como uma pequena muda, a Figueira viu seu entorno direto mudar de paisagem, de uma bela e verde chácara, até um dos centros gastronômicos de uma cidade que se desenvolveu rapidamente, ganhando o primeiro período de urbanização mais intensa o apelido de “Paulicéia Desvairada”; a Figueira foi local de diversão e abrigo de anciãos do bairro, que até hoje se lembram com carinho dos tempos verdes e rurais do bairro, e da própria árvore. Muitas árvores contemporâneas a ela já se foram, por muitos e diferentes motivos, e a figueira continua crescendo vigorosa e destacando-se em uma das ilhas verdes de uma cidade de paisagem predominantemente cinza.
A figueira-de-bengala, ou Banyan (nome pelo qual é mais conhecida localmente) é a árvore-símbolo da Índia. Se no Estado de São Paulo ela é protegida por sua Beleza, Porte e Raridade, ela é tida pelos hindus como símbolo de Sabedoria e Longevidade. Há relatos de que ainda na infância, as meninas hindus têm o hábito de plantaram a muda de banyan, pedindo aos Deuses que tenham um bom marido, e que seja o mesmo ao longo de suas 7 encarnações.
Por que a arborização urbana é tão importante?
• As árvores, em suas diversas espécies, proporcionam abrigo, ninhos e alimentação a diversos tipos de animais;
• A vegetação proporcionam conforto visual e ambiental aos habitantes dos centros urbanos, uma vez que o colorido de seus caules, troncos, folhas e flores modifica a paisagem cinzenta predominante, oriunda do vasto processo de urbanização;
• As árvores auxiliam à melhoria da qualidade do ar;
• Em áreas próximas às margens de rios e/ou mananciais, a arborização e até mesmo a vegetação rasteira auxiliam na proteção contra o assoreamento e extinção destes cursos d´água;
• Além da produção de oxigênio, as árvores têm a evaporação de água das suas folhas, tornando-se parte importante do ciclo da água nas imediações;
Como ter árvores adequadas à sua cidade ou bairro:
• Consulte inicialmente as Prefeituras Regionais, que têm uma lista de espécies indicadas para plantio urbano;
• Priorize espécies nativas (ou seja, naturais da região);
• Procure informações sobre o porte máximo que cada espécie pode atingir;
• Plante somente em espaços adequados ao crescimento sem sofrimento das árvores e de acordo com a legislação vigente;
• Em caso de dúvidas, procure sempre um profissional habilitado a lhe auxiliar,como biólogos, engenheiros agrônomos ou florestais;
Desde a primeira visita e escolha do local para seu novo empreendimento, que viria a marcar a agenda internacional da gastronomia paulistana, houve umapreocupação do Sr. Belarmino Iglesias e do Sr. Belarmino Iglesias Filho em buscara recuperação da figueira-de-bengala existente naquele espaço, então divididoentre um comércio e seu estacionamento, que se encontrava em péssimascondições fitossanitárias. Para tal, buscou profissionais habilitados.

Primeiramente, o biólogo Ítalo Mazzarella, e sua equipe da Gaia Consultoria e Gestão Ambiental, que realizaramos trabalhos de recuperação fitossanitária, monitoramento e Educação Ambiental. Membro desta equipe desde 2002, o biólogo Gabriel Costa assumiu em 2012 com sua empresa, a Piaget Consultoria Ambiental, a continuidade destes trabalhos, visando manter as boas condições fitossanitárias e o livre desenvolvimento do espécime arbóreo.

Além disso, há alguns anos a figueira-de-bengala conta ainda com a atenção e os cuidados da 4ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente da Capital, através do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) preventivo celebrado. O Órgão do Ministério Público do Estado de São Paulo tem atuado brilhantemente, contribuindo de forma ímpar à proteção e a conservação do espécime, bem como garantindo o alcance de todos a este patrimônio ambiental.
Você sabia?
• Na Índia há receitas gastronômicas bem interessantes utilizando os “figos” da banyan;
• Algumas vezes, ao longo de seu crescimento, diferentes árvores da espécie Ficusbenghalensis se fundem, formando verdadeiros bosques… O maior deles, na Índia, tem o tamanho equivalente a mais de 80 campos de futebol.
• Os primeiros europeus a desfrutarem da sombra e do abrigo da figueira-de-bengala foram Alexandre, O Grande, e seu exército, por volta de 326 a.C.;
• Há uma banyan no Estado de Utta Pradesh legendária, que dizem ser imortal.
• Outra, em Andhra Pradesh, pode abrigar até 20 mil pessoas.
Corte e a Poda de Vegetação de Porte Arbóreo:
Lei Municipal 10.365/87
Decreto Municipal 26.535/88
Lei Municipal 10.919/90
Lei Federal 9.605/98
Decreto Federal 6.514/08
Portaria 36/08-SVMA

Campanha Permanente de Incentivo à Arborização de Ruas, Praças e Jardins da Cidade:
Lei Municipal 12.196/96
Decreto Municipal 37.587/98
Lei 14.186/06

Tombamento da Vegetação Significativa do Município de São Paulo:
Decreto Estadual 30.443/89

Aqui tem um patrimônio ambiental
Agende uma visita monitorada.